terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Precisamos de Torcedores

Encorajem-se uns aos outros todos os dias durante o tempo que se chama “hoje”. Hebreus 3:13

A Escola Fundamental anunciou a apresentação de uma peça e Tiago se apresentou voluntariamente para
ser um dos personagens. A mãe temia que ele não fosse escolhido. No dia em que distribuíram os papéis
dos personagens, ela foi buscá-lo com medo de que ele estivesse desapontado. Quando Tiago viu a mãe,
correu para ela e, com os olhos brilhando de empolgação, disse: “Adivinha mãe! Fui escolhido para bater
palmas e torcer!”

Diz Carlos Drummond de Andrade em uma pequena crônica intitulada “Torcida por você”: “Mesmo antes
de nascer já tinha alguém torcendo por você. Tinha gente que torcia para você ser menino. Outros
torciam para você ser menina. Torciam para você puxar a beleza da mãe e o bom humor do pai. Estavam
torcendo para você nascer perfeito. Daí em diante, continuaram torcendo.” E termina dizendo: “Muita
gente ainda torce por você.”

É verdade. Quem não tem um torcedor? Não estou falando de times que têm torcedores fanáticos que,
com buzinas, bandeiras e gritos de guerra, acompanham o time em todos os jogos. Estou me referindo a
alguém que acredita e torce por nós, e grita: “Vamos! É isso aí! Você vai conseguir!”

Quem já não sentiu ânimo quando ouviu a voz de incentivo dos amigos, dos pais, dos professores e
chefes? O senso de que temos valor diante de outros é muito importante para nós. Significa que não
estamos sozinhos! Encorajar é estar lado a lado, ter confiança na habilidade da pessoa para fazer alguma
coisa; é quase empurrá-la para uma decisão.

Há determinados momentos na vida em que desejamos que apareça alguém que dê esse empurrão na
gente, em algum projeto que estamos empreendendo, para que saibamos que não estamos sozinhos.

É assim que se colocam diante das pessoas expectativas bonitas e animadoras como as dos pais diante
dos filhos, professores diante de estudantes, patrões diante de empregados, treinadores diante de
jogadores e médicos diante dos pacientes. Essas expectativas capacitam as pessoas além de suas
fragilidades e imperfeições para uma mudança de comportamento.

Por meio de nossa companhia, escutando, demonstrando hospitalidade, orando, dando um abraço,
enviando um e-mail e estando presentes, podemos dizer que estamos “torcendo” por alguém. A quem
você pode animar hoje, dizendo: “Estou torcendo por você”?

Nenhum comentário: