segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Moulin Rouge - o filme e o cabaré...hehehe


Você já se apaixonou por alguém, e sentiu aquela paixão bem forte e linda que, só em pensar, dá vontade de chorar de alegria?? Mesmo que você não esteja apaixonado assim no momento, mas se você já sentiu isso, só em ver o amor de um casal superar tudo é motivo para lágrimas.
Estou na minha fase de assistir filmes e refletir muito sobre o assunto do filme, ou até mesmo o que está implícito nele, como foi o caso de 300 no post anterior.
Assisti na quinta-feira passada ao filme Moulin Rouge. Eu odeio musicais, mas esse filme foi de arrebentar. Ele mostra o mundo boêmio do centro de Paris nos anos de 1899 e 1900, com enfoque total no cabaré chamado Moulin Rouge (Moinho vermelho) que até hoje existe e é muito prestigiado por vários turistas e muitas pessoas famosas já se apresentaram naquele palco.
É sobre um jovem escritor que vai à Paris em busca da liberdade, vida boêmia, e eu acho que ele foi também em busca do amor. Chegando lá, encontrou o amor dele, Satine, uma cortesã, ela não era uma simples cortesã, era a mais famosa e desejada do Moulin Rouge. Devido a um erro de comunicação os dois se apaixonam. Não vou contar o final. O fim não foi muito agradável (não vou contar para não estragar a surpresa de quem ainda não assistiu), mas, para quem já leu A Dama Das Camélias de Alexandre Dumas Filho, os finais tem uma semelhança, não é igual, mas a mesma sensação que senti lendo o livro, senti ao assistir esse filme, aquele aperto no coração e lágrimas rolando.
Vendo esse filme, comprovei que não foi necessário eu gostar de musical para apreciá-lo. Estou agora com uma visão bem diferente do que eu tinha sobre esse tipo de filme.
xoxo
Ana Raquel